segunda-feira, dezembro 28

REFLEXÃO SOBRE O DESTINO DA AMÉRICA LATINA

Átila da Silva

Pensarmos sobre questões ligadas ao aqui e agora ajuda a libertarmo-nos das visões do egoísmo ensimesmado, da sacralização do grotesco consumismo como instrumento de explicação da dinâmica teológica do relacionamento Deus-homem e homem-Deus, e da obviedade insana da busca pela felicidade própria como vocação desse cristianismo evangélico.

Como introdução ao que o professor Eduardo comenta e ilustrando nossa colocação inicial, lembramos das afirmações dos escritores-teólogos, muito bem considerados em nossa nação, Max Lucado, John McArthur e Bob Jones, no Larry King Show. Estes sairam em defesa do modo de vida americano (American way of life), abraçando a guerra como forma de expressão cristã. Será que pensaremos como eles?


Fonte:

Larry King: http://transcripts.cnn.com/TRANSCRIPTS/0303/11/lkl.00.html ; assista ao vídeo dessas declarações (em espanhol) in http://www.youtube.com/watch?v=gM-rKg7LKwI
Eduardo Galeano: http://transcripts.cnn.com/TRANSCRIPTS/0303/11/lkl.00.html

domingo, dezembro 13

QUESTÕES SOBRE A IDENTIDADE DE UM POVO...

O escritor e professor Eduardo Galeano incita os que gostam de boas perguntas (ATITUDE FILOSÓFICA) a reverem alguns aspectos importantes do passado de nossas Américas...

Veja seu livro "Patas arriba: la escuela del mundo al revés" no Google books. Leia a partir da página 3. Muito interessante!

sábado, dezembro 5

O PEREGRINO E AS DISTRAÇÕES NO CAMINHO 1

Átila da Silva
O peregrino vive a tensão de continuar convivendo com os valores e maneiras de ser e pensar da sociedade sem Deus 1. Jesus já havia previsto isso (Evangelho de João 17:14 a 16). Esse contexto traz a certeza de provocar fortes aflições ao peregrino (Evangelho de João 16:33), pois foi feito filho de Deus, tem uma nova história de vida sendo escrita e caminha no sentido contrário ao mundo que o cerca. Além disso foi feito luz em Cristo e sua influência espiritual avança contra os poderes espirituais que dominam o ambiente e pontecializam oportunidades para os descaminhos, para o endurecimento e obscurecimento do coração 2. Por isso irá sofrer.
Mesmo querendo seguir a Cristo, o peregrino pode manter atitudes que são verdadeiros obstáculos e o afastam do caminho de peregrinação. Nesta série abordaremos alguns deles.

Hoje, gostaríamos que você pensasse na habilidade que temos de julgar as pessoas. Fazemos isso porque perdemos a visão da caminhada. Enquanto julgamos os outros, abrimos mão da autorreflexão e perdemos a noção do que estamos fazendo ainda por aqui.
Este obstáculo é tão culturalmente aceito dentro e fora da comunidade de fé que parece menos prejudicial que outros "pecados graves". Existe ainda a maneira de adaptação deste procedimento condenatório do outro ao contexto eclesiástico. É sacralizado através do falso interesse do bem do próximo veiculado pelo pretexto da oração.

Essa reflexão pode ser vista na afirmação de Jesus no Evangelho de Mateus 7:1 a 5 (Lc.6:37; Jo.7:24) e também Paulo em 1 Coríntios 4:5. Se você é peregrino, lembre-se de que se não fechar sua mente e seu coração para o julgar do próximo, em qualquer situação, sendo ele certo ou errado, colocará com as próprias mãos obstáculos em sua própria peregrinação e acabará por estacionar no acostamento ou mesmo retroceder, levado pela normalidade de tal procedimento no mundo, evangélico ou não.
Abaixo alguns exemplos de julgamento que não deram certo... "Não julgue tão rapidamente. Nós não podemos!"

Eu o matei! (A mosca)

1 É interessante que a palavra grega para "sem Deus" seja átheos, ou seja, ateu. Veja Carta de Paulo aos Efésios.2:12.

2 Verifique a coerência dessas afirmações: Carta de Paulo aos Efésios 6:12; 2:1 a 3; Evangelho de Mateus 5:15,16 e 16:18.

Fontes: As fotos trazem os créditos. Os vídeos foram extraídos de campanhas publicitárias da Ameriquest Mortgag Company in Youtube.

sábado, novembro 28

Redefinindo o que é Igreja.

Átila da Silva, pr.

Muitas pessoas ainda não conseguem separar o templo, a denominação e o ajuntamento social do conceito neo-testamentário de Igreja de Jesus. O vídeo abaixo tenta dar uma sugestão de resolução deste dilema.

Dê sua opinião: Será que o vídeo está correto em suas colocações sobre a Igreja segundo o Novo Testamento?


quarta-feira, novembro 18

QUESTÕES DE FÉ

Átila da Silva, pr


Este teste muito interessante sobre religiões e fé foi idealizado por Katja Pabel, articulista de Seleções Reader's Digest. Diz Pabel que "se a fé pode mesmo remover montanhas, este talvez seja um caso polêmico. Uma coisa, porém, é certa: a fé religiosa pode nos proporcionar esperança e a sensação de fazer parte de uma comunidade. No entanto, outra coisa que a fé sempre fez foi dar margem a disputas sangrentas entre os seguidores de diferentes religiões. Infelizmente, pouca coisa mudou a esse respeito desde as Cruzadas, embora as facções em luta não sejam mais as mesmas. Isto é particularmente lamentável, porque a maioria das pessoas sabe muito pouco sobre a religião de seus supostos adversários".

 É certo que ninguém que acalenta dogmas sobre o universo transcendente, sagrado, pensa que a estrutura de sua confissão de fé seja débil ou prejudicial em qualquer aspecto. Pelo contrário. Quando o caminho da fé serve como instrumento do egoísmo e do orgulho assassina o seu propósito mais essencial: viver sob a prática do amor e do altruísmo. Nenhuma vertente doutrinária religiosa abre mão dessa premissa básica.

Bem, espero que você se permita ser transformado pela fé e não moldar a fé pela opressão do possuir contra o ser.

Quanto você sabe sobre as cinco grandes religiões do mundo: cristianismo, islamismo, hinduísmo, budismo e judaísmo? Verifique seus conhecimentos com o teste de Pabel:


1. O que significa o termo “haji” no islamismo?
a) o mês anual do jejum
b) a obrigação do fiel de fazer boas ações
c) a peregrinação a Meca que todos os muçulmanos são obrigados a fazer


2. Tanto budistas quanto hinduístas acreditam no “samsara”. Que é isto?
a) status social inato
b) ciclo de nascimentos e mortes repetitivos; reencarnação
c) a comunidade dos fiéis

3. Qual a maior comunidade religiosa do mundo?
a) cristã
b) islã
c) hindu

4. Que monarca fundou uma igreja própria para poder se divorciar da esposa?
a) Henrique VIII
b) Frederico I Barba-Roxa
c) Alexandre, o Grande

5. Em que ano teve início a Era Islâmica?
a) 622 d.C.
b) 257 a.C.
c) 162 d.C.

6. No simbolismo judaico, o candelabro de sete braços desempenha um papel importante. Como é chamado?
a) quipá
b) menorá
c) chuzpe

7. Quando é o Domingo de Páscoa?
a) no primeiro domingo depois da primeira lua cheia após o início da primavera
b) ao fim da 15ª semana do calendário
c) no primeiro domingo depois da quarta lua cheia do ano

8. Que aspecto religioso reverencia a vaca como um animal especial?
a) budismo
b) islamismo
c) hinduísmo

9. Que papel Jesus desempenha no islamismo?
a) nenhum
b) o de um profeta
c) o de filho de Deus

10. Sobre o que se fundamenta o budismo?
a) as Quatro Nobres Verdades
b) os Cinco Mandamentos de Buda
c) os Dez Níveis de Iluminação

11. Qual a mais antiga religião monoteísta (que adora apenas um deus)?
a) cristianismo
b) judaísmo
c) islamismo

12. Em qual desses países não há separação entre Estado e religião?
a) Turquia
b) África do Sul
c) Irã

As respostas completas podem ser encontras em: http://www.4shared.com/file/155032073/e2a7e0b6/CONTRA_MOS_questes_de_f.html



1.Islamismo,
Meca - cidade sagrada.



2. Hinduísmo, Varanasi,
cidade sagrada.





3. Budismo, Borobudur - Indonésia.

 
 





Ilustração de Tom Mackinger in Seleções Reader's Digest.

terça-feira, novembro 3

A ESPERANÇA É A ÚLTIMA QUE MORRE...?

Átila da Silva, pr.

A famosa frase já faz parte da recitação automática da maioria das pessoas quando o assunto é uma fase ruim, um acontecimento triste ou o aumento do custo da cesta básica. É aquela tentativa nossa de fazer uma confissão positiva, de atribuirmos à simples recitação de um pensamento o poder transcendente de modificação do agora e do futuro.

Pensar que a esperança é a última no paredão de fuzilamento do inesperado, do imponderável e da vicissitude não traz real alento, apenas ameniza, por breve tempo, a ansiedade.

Ainda, essa frase tem sua origem numa expectativa de plano humano, desencadeada a partir do nosso próprio coração, sem uma ligação com Alguém que realmente possa ajudar na nossa tarefa de refletir a vida e discernir o momento em que se usufrui da vivência negativa. Então, a "esperança é a última que morre" já nasce com um pé na cova!

O peregrino, discípulo de Jesus, também participa dessa dinâmica de desesperança como qualquer ser humano. Pode sofrer o assalto de pensamentos tão desalentadores que se sinta abatido e desmotivado.

Na verdade, não existe alguém mais consciente de sua humanidade que o peregrino. Isso se dá pelo relacionamento pessoal que desenvolve com Deus. 1

Enquanto falsas teologias em nosso país apontam diversos caminhos como resposta aos dramas da vida (prosperidade material; ascendência na estrutura hierárquica da instituição religiosa; a adaptação de mandingas sincretistas, a ação independente do 'quem sabe faz a hora não espera acontecer'; etc...) somente Cristo muda o nosso ser interior. É aqui que precisamos experimentar transformação (Rm.12:2 - renovação da mente; Cl.3 - despojar, revestir), pois as situações da vida já estão sob Seu controle. Logo, o peregrino, que se vê também debaixo de Sua mão de poder, entende que não precisa viver ansioso por coisa alguma, pois está seguro andando com o Mestre.

Para o peregrino a esperança é a primeira e a última que nunca morre, pois ela repousa unica e exclusivamente em Cristo Jesus e Sua Palavra!




OBSERVAÇÕES:

1. Veja essa realidade descrita pelo apóstolo Paulo:

Ele fala de duas regulações em ação dentro do peregrino. A primeira remete o discípulo à normalidade da independência, do egoísmo e do desespero (A lei do pecado). A segunda rema contra a maré e aponta o caminho da dependência, do negar-se a si mesmo e da esperança EM Cristo. Paulo utiliza um verbo grego muito interessante para descrever o embate que existe entre as duas regulações: antistratéuomai.

Embora a sua única ocorrência no Novo Testamento seja aqui, encontramos o verbo não preposicionado (stratéuomai) que pode ajudar-nos a entender melhor a que o apóstolo está se referindo. A figura é uma campanha de guerra, onde os soldados estão em plena ação dentro do campo de batalha (2Tm.2:4; 1Tm.12:18 e 2Co.10:2,3). Então, o peregrino está consciente que dentro de si existe uma luta feroz pelo controle dos sentimentos e dos pensamentos. Ela é tão forte que leva o apóstolo a expressar dramaticamente essa realidade: "Desgraçado homem que sou! Quem me livrará desse embate?".

A resposta para sua pergunta é a verdadeira esperança para cada um dos peregrinos:


Abraço.

sábado, outubro 31

ALONE! QUANDO ME SINTO SÓ...

Átila da Silva, pr.

Os sentimentos são influências poderosas dentro de nós. Nem sempre resultam em consequências danosas, mas quando se ligam a desequilíbrios interiores nos tiram do prumo da mente consciente e conectada à realidade... não àquilo que julgamos ser o real, mas o que efetivamente está acontecendo.

É simples para o ser humano tomar decisões ou mesmo enxergar a vida através da influência de um sentimento. Em algumas ocasiões o sentimento é tão forte que parece resumir toda a existência. A parte vira o todo, não existem outros referenciais razoáveis que possam trazer o contraponto, o benefício da dúvida, a cogitação de que existe outra forma de viver além daquela que o sentimento está sugerindo ser absoluta no momento. Veja ao final outras cosiderações: (1)

O peregrino não vive discernindo sua vida a partir dos sentimentos que tem sobre ela, pois sabe que seu coração pode pregar peças (Jeremias 17:9). Também não vive baseando seu dia a dia na racionalidade pessoal, pois esta pode estar desprovida de todos os elementos necessários para perceber a realidade do ponto de vista que discerne, clarifica, edifica, solidifica, embasa, faz crescer.

Por isso, o peregrino sabe que deve manter um estilo de vida - sentimentos, pensamentos, decisões... - apoiado na Palavra de Deus, lida, estudada e interpretada dentro de seus contextos.(2)

Sentimentos são bons, quando não assumem o controle do discernimento do momento ou da vida. (3)

A mente é boa, desde que não se presuma suficiente para pensar e controlar sozinha o viver.

A Palavra de Deus vem sempre antes de tudo (Sl.119:105), mostrando o caminho que ainda não conhecemos, e as verdades espirituais que podemos ter certeza de viver em Deus. É ela que diz: "nunca te deixarei, nunca te desampararei" (Hb.13:5).

O peregrino pode sentir-se só, mas isso será apenas um sentimento. Apesar de todos os estímulos por dentro ou ao redor, o que vale mesmo para ele é a Palavra de Deus!

Estude a Bíblia porque por ela você conseguirá viver sem ser refém das emoções e do racionalismo orgulhoso.
Abraço.
EXTRAS:

1 Em nossa classe de Ética 2, refletindo sobre as complexas relações do suicídio com a cultura brasileira, primordialmente a cultura evangélica, analisamos diversos bilhetes deixados por suicídas. Todos revelam a mesma realidade: sentimentos são os maiores responsáveis por decisões "finais". Se quiser ler esse material:

2 É aqui que reside um dos principais motivos para o desvio e a dogmatização que tem se tornado comum dentro da igreja evangélica brasileira. Ainda no tom da citação do texto (FORA DO CONTEXTO!) "a letra mata, mas o espírito vivifica", crentes têm sido orientados a ler a Bíblia de maneira devocional, ou seja, "leia e ouça o que Deus está lhe falando, sinta sua palavra, deixe que seu coração leve você à verdade de deus, então, se você estiver sentindo paz a palavra já entrou em seu ser!". Bem, não é por um acaso que coloquei em letras minúsculas 'palavra' / 'deus' e em destaque a expressão "sentindo paz", sendo este mais um texto bíblico retirado de seu contexto. O nosso povo gosta de emocionar-se e, quando sente o toque sentimental, acha que encontrou a prova que faltava para que algo seja atribuido finalmente ao toque de Deus.
3 Não é verdade que um sentimento fora de controle gera consequências terríveis?
Se não, pergunte ao garoto que, pelo sentimento da "adrenalina", acelerou demais sua moto sem equipamento de segurança e... a menina que sentindo ser invisível coloca uma roupa provocativa e torna-se a garotinha mais popular entre os meninos que querem apenas usar as mulheres... etc, etc...
FOTOS ESTILIZADAS PELO CONTRA MÃOS. Os créditos estão incluidos em cada uma delas.

sexta-feira, outubro 23

E-SWORD, NOVA VERSÃO

Átila da Silva, pr.

Uma ferramenta de estudo GRÁTIS que está disponível em nova versão é o E-SWORD ("E-ESPADA", no sentido da Palavra de Deus, eletrônica - The Sword of the Lord with an eletronic edge ).
Surge agora na versão 9.5.1.
Ela tem todos os bons recursos de pesquisa como versões de Bíblia (Inclusive versões da Bíblia Hebraica e do Novo Testamento grego), concordâncias bíblicas, comentários bíblicos (consgrados comentaristas), atlas, fotos, gravuras e muito mais. Embora esteja em inglês, ainda, fornece versões de Bíblia em português. Vale a pena tentar utilizá-lo. A instalação é simples. Para aqueles que têm a versão anterior recomendo que a desinstale, pois todos os módulos foram reprojetados, logo a nova versão NÃO FUNCIONARÁ com os modulos antigos.
Aos que instalarão pela primeira vez: baixe o programa ou clic em EXECUTAR. Depois feche o programa. Volte ao site do E-SWORD e escolha os módulos que deseja ter em seu novo programa (Bíblias, dicionarios, comentários, etc.). O programa permite baixar três módulos por vez. Depois de baixar, clic em cada um e siga as instruções (OK). É muito simples.
Abaixo o CONTRA MÃOS disponibiliza a tradução da comparação entre a versão nova e a antiga. Se quiser mais informes ou tirar dúvidas, poste um comentário neste artigo com seu e-mail e procuraremos responder.

"Oh! Bendito o homem que semeia livros,
livros à mão cheia e manda o povo pensar!"
Castro Alves
FONTE:

quarta-feira, outubro 21

UMA TOALHA PARA CADA (NOVO) PEREGRINO

Átila da Silva, pr.

Existe uma grande ligação de significado entre os textos do Evangelho de Marcos, capítulo 10 e versos 43 a 45 e do Evangelho de João, capítulo 13 e versos de 13 a 17.

A significação compartilhada passa desapercebida à leitura superficial que estamos acostumados a fazer (influência direta do desprezo pela reflexão aprofundada da Palavra de Deus).

Nestes textos Jesus aparece ensinando. O primeiro é o centro do Evangelho de Marcos, enquanto em João o texto inaugura o segundo volume deste Evangelho, relacionando o resumo das instruções de Cristo. O quadro abaixo demonstra como os ensinos estão relacionados:
(Confira os textos bíblicos!)
Uns devorando os outros...
O Mestre passa a dizer que existe um jeito de ser discípulo, peregrino, que é pautado por um valor em drástica oposição à estrutura comum dos relacionamentos humanos. Nesta estrutura relacional existe a competição, a lei do mais forte e a dignidade e sucesso medidos pela ascensão social e política (PODER), cuja dominação faz pessoas servirem, sob opressão (emocional, espiritual), a propósitos que não escolheram, tendo o outro sempre como rival por um "lugar ao sol", o qual deve ser conquistado de qualquer forma, na batida do "primeiro eu, depois...". Esta realidade pode ser encontrada em todos os âmbitos da sociedade, inclusive no microcosmo religioso-eclesiástico.

Foi registrada por Marcos a declaração incisiva de Jesus: entre os peregrinos NÃO É assim. Ele não disse "não pode ser assim", a afirmação é clara e objetiva: quem está na peregrinação, quem está seguindo como discípulo, não vive assim, pois sua opção é outra. Já em João está registrada a declaração contrária: entre os peregrino É assim. Ou seja, aqueles que têm Jesus como Mestre e Senhor optaram por moldar sua maneira de viver o dia a dia a uma forma muito diferente daquela reinante na sociedade ao redor.

É interessante ver como muitos encontros eclesiásticos tratam os "novos convertidos". Apressam-se a oferecer um evangelho de João, um boletim com a agenda de programas, uma proposta de adesão ao modelo eclesiástico do lugar e um envelope de dízimo. Mas, na verdade, deveriam doar o evangelho e uma toalha. Isto para que a pessoa, pretensa convertida, saiba imediatamente do que é feito o compromisso de vida que está disposta a entregar-se.

Servir voluntariamente é uma vocação passada de Mestre para discípulo, portanto a única forma de ser peregrino!

Nesta caminhada ninguém é mais importante do que aquele que serve. Logo, todo peregrino é importante e na sua maneira de viver (escola, trabalho, lar, etc.) as pessoas podem enxergar claramente o Seu Mestre, pois é e faz exatamente como Ele ensinou e fez, não como constrangido, mas porque escolheu livremente ser amado e amar (Mt.5:16).

Fonte: desenho estilizado por CONTRA MÃOS. Você pode adquirir o original. Siga o link:
http://portuguesbrasileiro.istockphoto.com/file_thumbview_approve.php?size=2&id=9256656

domingo, outubro 11

quarta-feira, outubro 7

SÉRIE SAGRADO - EPISÓDIOS 1 a 3

Átila da Silva, pr.

Uma das maneiras lúcidas de analisarmos e avaliarmos nosso relacionamento com Deus é ouvirmos como outras pessoas definem o sagrado e o relacionam ao seu próprio universo.

Assim, proveremos a nós mesmos um ponto de comparação e elucidação do que envolve nossa própria elaboração do sagrado. É certo que muitos crentes estão chamando Jesus de "Genésio" e autoconvencidos que o ídolo erguido interiormente, por seus pré-conceitos e dogmatismo, é mesmo correspondente ao Peregrino, ao Caminho, à Verdade, à Vida, ao Cabeça, a Cristo Jesus, nosso Senhor.

Mesmo que a imagem seja idêntica,
uma estátua de cera nunca terá vida!

Disponibilizarei a série "SAGRADO" veiculada pelo canal Futura: Reflita e viva!

Fontes: physics.about.com (estilizado por CONTRA MÃOS); Globo.com

segunda-feira, setembro 28

CHEGA DE OVELHAS, PRECISAMOS DE DISCÍPULOS!

Átila da Silva, pr.

A visão oportunizada por pregadores e escritores evangélicos quanto à similaridade entre o crente e a ovelha está, equivocadamente, entronizada na confissão de fé e no imaginário das pessoas que dizem seguir a Jesus.

Só que esta figura produziu uma noção desvinculada do conceito essencial de "discípulo", proposto pelo Mestre Jesus no Novo Testamento.

O 'rebanho evangélico atual' compreende-se desprovido, carente, incapaz, incompetente. Ele precisa sempre ser dirigido; um grupo de potenciais espirituais que não tem iniciativa, que necessita diuturnamente ser protegido e intermediado pelo pastor humano, projetado pelo rebanho, o qual possui, como único receptor dos oráculos divinos, a persona que assume a terceirização das tarefas espirituais das ovelhas.

Poderia elaborar uma reflexão sobre o contexto sócio-cultural brasileiro que também oportunizou essa vivência doentia. Mas prefiro priorizar a indicação do caminho dos discípulos que se deixaram fazer 'ovelhas'. Pessoas que abnegaram o privilégio de estudar a Palavra de Deus com afinco, de praticá-la pelo amor, tornando-se sujeitos de seu desenvolvimento espiritual com usufruto da convivência direta e assegurada com O Pastor (Salmo 23).

Por isso, ve-se que a convivência eclesiástica dessa ovelha é desenvolvida no conflito, na ocultação do verdadeiro ser, numa simples relação cúltica, programática, sem dons espirituais ativos, sem edificação do próximo, sem demonstração do amor prático de Cristo.

Contemplar um número imenso de discípulos preferindo cantar que servir, buscando a titulardade em ministérios promotores de hierarquias 'sacras' impostoras e sem qualquer efeito positivo no mundo espiritual, traz-me uma lembrança ao coração e um desejo que fortalece a razão e o ânimo: "vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz" (1Pe.2:9).


O peregrino sabe que é ovelha de Deus, mas nunca foi chamado para depender de alguém humano que o mande ir e fazer outros discípulos. Ele sabe que quanto maior a organização sem ação mais fácil será estacionar pelo caminho e perder a vocação para a caminhada.

O peregrino sabe que é ovelha de Deus, mas nunca se deixará enganar por títulos que subtraem o ser servo, e por discursos que substituem a mudança de vida.

Todo perergino precisa de um pastor... e conseguiu o seu na cruz.


Fontes:
Estilizadas por CONTRA MÃOS
70959.netminist.com/images
ocw.usu.edu
traveljournals.net

segunda-feira, setembro 21

DOMANDO O CAVALO XUCRO...

Átila da Silva, pr.

É maravilhoso podermos contar com Aquele que nos conhece por completo.
O caminho com Cristo é o aprendizado da inquietante verdade de que não devemos depender de outras pessoas, a não ser dEle, a fim de encontrarmos recursos para enfrentarmos os problemas que achamos que temos.
A Bíblia nos diz que enquanto não nos rendemos a Ele não podemos nos livrar daqueles nossos pensamentos egoístas e exigentes, que insistem em achar lugar na mente. Eles apontam, quer seja na direção da atenção exclusiva de pessoas, quer no sentido do pensamento igualmente possessivo de que nossos problemas são maiores do que os de outros e isso nos dá o direito de obter atenção e, principalmente, respostas imediatas e satisfatórias para os nossos questionamentos.

Quando não nos submetemos a Ele, agimos como um cavalo indomável à procura do que achamos ser o melhor para nós, a ponto de não respeitarmos os outros em suas limitações, oprimirmos os amigos e não percebermos que existem limites que não podemos ultrapassar.

Além de tudo isso,
não permitimos que Deus atue quebrando nosso ser.

Deixamo-nos persuadir pelo pecado do desespero e dos sentimentos contraditórios, os quais nos impulsionam na direção de qualquer resolução para aquelas coisas sobre as quais não temos o poder, as condições, o discernimento, a vontade de entregar e, principalmente, a permissão de Deus para tentar mudar com a insanidade das nossas mãos, quase sempre dependentes da própria força.
O peregrino sabe que deve domar esse cavalo xucro!
Quando houver a reflexão, a internalização e a prática dos princípios de vida de Deus não precisaremos mais ser reféns da visão e dos valores distorcidos que nos fazem adoecer na alma.

Fotos estilizadas por CONTRA MÃOS:
- mytho.com.pt
- news.softpedia.com

- myspace.com

sexta-feira, setembro 11

ATITUDE FILOSÓFICA É TEMA DE CAMPANHA

Átila da Silva, pr.

Temos incluido nesse espaço o incentivo semanal à leitura e ao estudo compromissado com o texto e o contexto bíblicos, além de mostrar que o caminho de mudança de vida próprio da peregrinação verdadeira em Cristo, passará necessariamente por REFLEXÃO.

Como temos a capacidade da introjeção e nosso meio social (inclusive evangélico) não prioriza ou priveligia a meditação e a reflexão filosófica questionadora, acabamos por terceirizar a tarefa, "árdua demais", de refletir e buscar perguntas que nos façam questionar de maneira profunda a realidade que nos cerca, a qual escolhemos para desenvolver nossas interações.

O cerceamento da reflexão é o instrumento predileto do dogmatismo religioso e do autoritarismo que infesta púlpitos, reuniões de estudo bíblico, de oração, de sociabilidade, de lideranças, de ajuntamento eclesiástico.

O peregrino sabe que tem a liberdade de questionar e refletir sobre todas as coisas para que com maior discernimento consiga perceber as respostas de Deus em Sua Palavra.

Por isso, incluo mais essa sensacional manifestação de apoio à reflexão filosófica.

Como disse o caro Professor John Stott "Crer é também pensar".






Leia um capítulo interessante: "A chamada ao Estudo"; John Stott. Baixe

Compre o livro "Crer é também Pensar" - ABU Editora, do mesmo autor.

FONTE DOS VÍDEOS:

http://www.futura.org.br/main.asp

terça-feira, setembro 8

Projeto Generosidade

Átila da Silva, pr.





O que é o projeto?
O Projeto Generosidade procura revelar e repercutir ações e exemplos de gente que faz e promove o bem no Brasil.

Esta é a terceira edição do projeto, que em 2008 divulgou, durante seis meses, histórias inspiradoras e estabeleceu uma doação para a instituição escolhida como a mais relevante entre as ações solidárias divulgadas. O projeto foi tão bem-sucedido nas duas edições anteriores que será repetido este ano, com a parceria das mesmas instituições que apoiam a causa desde sua criação: Bradesco, Chevrolet e O Boticário.

Vale a pena buscar maiores informes no site abaixo.

É claro que muitos peregrinos poderão escrever para lá dando notícia das ações solidárias que, pelo amor prático de Jesus, estão ajudando ativamente a desenvolver.

Abração...

http://projetogenerosidade.com.br/2009/

domingo, agosto 30

Consciência ou Consequência...

Alice Osis da Silva.

Pode ser um pouco chocante, mas serve para chamar a atenção sobre a consciência que devemos ter em nossa interação com o mundo ALÉM dos nossos próprios interesses...

Vídeo 1: "Dirigir e falar ao celular aumenta o risco de acidentes em 400%"
Vídeo 2: "Bons motoristas apenas dirigem"
Vídeo 3: "Mantenha a atenção ou pague o preço"

FONTE:
http://www.youtube.com/watch?v=Hx6HxCM6OfU
http://www.youtube.com/watch?v=LduvovKsvuM
http://www.youtube.com/watch?v=JeksWmadojY

sexta-feira, agosto 28

REFLETIR OU FORMATAR???

Átila da Silva, pr.

Existe um poder formatador reinante dentro do ser humano desde tempos imemoriais.
É a tendência que o homem tem de querer controlar o que lhe escapa, lhe sublima, lhe faz refém dos acontecimentos que não pode dirigir ou entender.
Logo, reage atribuindo formatação ao que não pode ser contido por definições ou conceitos. Assim, consegue atenuar sua própria ansiedade e anseio. E continuará fazendo de tudo para concretizar a realidade a partir de SUA cosmovisão (weltanschauung), à sua imagem e semelhança.
Lembro-me do trecho de Romanos capítulo 1 onde Paulo mostra como o homem tem a capacidade de elaborar na sua mente uma 'realidade' diferente do que é efetivamente real (v.21).

O termo grego utilizado é 'dialogismós', que ocorre também em Mateus 15:19; Lucas 5:22; 9:46,47; 1 Coríntios 3:20, dentre outros, sempre com a característica de uma abordagem formatadora e orgulhosamente impositora. É do interior, do coração, da mente que procedem as tentativas de transformação da verdade de Deus e Seus propósitos em modelos deformados de prazer e alegria passageiros.

O peregrino não procura nem se deixa formatar (Romanos 12:2 - literalmente 'metamorfosear') pelos pressupostos escravisantes naturalmente encontrados dentro dele, mas luta para que não adapte, ajeite, acomode, brandeie a rudeza e exigência da peregrinação.

Ele deseja refazer-se o tempo todo (Romanos 6:4 e 7:6), despojar-se e revestir-se da maneira de ser, pensar e viver do Novo, do Mestre. Isto não é ação única, mas um processo diário firme, insistente, de reformulação do olhar analítico, reflexivo e das idéias e posturas resultantes dele.
A grande maravilha da caminhada peregrina é que sempre se deixa para trás o que passou, não se vive rondando, circulando o mesmo trecho (40 anos no deserto das idéias!), mas novos passos, novos desafios, novas transformações e novas perspectivas vão se realizando pela direção do Mestre, Pastor, ao lado do Seu peregrino. Filipenses 3:13 e 14.
Ilustrações in:
alfaleninha.spaces.live.com
flickr.com
muddypickles.wordpress.com

domingo, agosto 23

O MEU E O NOSSO SERVIÇO CRISTÃO

Átila da Silva, pr.
"A fé conduz ao amor, e este ao serviço”.
John Stott. “O cristão em uma sociedade não cristã” - Vinde.
*
Nós já aprendemos pela Palavra que o peregrino é salvo para servir a Deus realizando o amor prático de Jesus na vida do próximo.

O Mestre nos deu esse exemplo: “Pois o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir...” (Mc.10:45); “Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também [...] ora, se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as praticardes” (Jo.13:15, 17).

Mas, talvez, nos falte entender que existem duas visões sobre essa diaconia (serviço prático):

A primeira: Ela é responsabilidade individual.
*
Quando Jesus diz que devemos ser luz e sal está falando da convivência do peregrino em seu dia a dia, quando está cercado de pessoas carentes da Luz. É ali que ele, individual e voluntariamente, deixará que o amor do Mestre se torne prático por meio do serviço que presta aos outros, quer esteja trabalhando, estudando ou compartilhando da vida na sua rua ou vizinhança.
O peregrino não espera por outros para trabalhar porque já tem dentro de si tudo que é necessário para servir ao próximo: gratidão, por ter recebido a graça da salvação e um amor que transborda pela Presença do Espírito Santo em seu coração.

A segunda: Ela é responsabilidade coletiva.

Jesus criou Sua Igreja para reunir os peregrinos como uma força espiritual que pode desafiar as trevas e vencer o diabo. Além disso, sua força está na coletividade e na reprodução do jeito de ser do Mestre em sua convivência, que junta as experiências individuais de testemunho, relacionamento e serviço para conseguir chegar onde um peregrino sozinho não conseguiria. É muito mais fácil criarmos, como comunidade de fé, um grupo de apoio a casais, homens, mulheres, filhos, avós e outros, do que tentarmos fazê-lo sozinhos. É mais simples pensarmos e agirmos juntos, em estratégias criativas para compartiharmos o amor prático de Jesus, em nossa rua, em nosso bairro do que tentarmos fazê-lo sozinhos.
Jesus deixou o exemplo. Separou cada um dos 12 homens para serem discípulos individualmente e, para comporem com Ele, também, uma comunidade de fé prática.

Então, tanto sou peregrino e tenho meu potencial de serviço a ser desenvolvido, quanto sou parte de um comunidade que permance aqui para levar o amor de Jesus ao próximo carente, necessitado na alma, no coração, na visão do propósito da sua vida, do mundo...
*
SUGESTÕES
*Inicie levantando a realidade espiritual das pessoas que convivem com você e peça a Deus estratégias criativas para demonstrar o amor prático do Mestre para elas. Participe de reuniões de condomínio, vá ao futebol com os colegas de trabalho, compareça às reuniões da sociedade amigos do bairro...
* Converse com outros peregrinos sobre sua realidade contextual e peça ajuda em idéias práticas e na aplicação delas em seu círculo de relacionamento.
* Não espere mais. Saiba que mostrar o amor é a única razão porque o peregrino permanece ainda por aqui!
* Não fique restrito a uma idéia ou ao seu grupo eclesiástico. Lembre que só é peregrino quem tem e demonstra o amor prático de Jesus ao próximo durante a peregrinação. Busque pessoas que queiram servir , sem adiamento, sem desculpas, sem "vamos estudar melhor e...". Esses são verdadeiros peregrinos.
*
Assim, não importará se sua vida durará 15 ou 60 anos. Certamente ela terá mostrado o caminho da Fonte que jorra para a vida eterna.

Ilustrações:
1. flammarion.wordpress.com
2. hologramataxi.blogspot.com / Estilizada pelo CONTRA MÃOS

quinta-feira, agosto 20

FANTÁSTICA FRASE FEMININA

Átila da Silva, pr.

Essa frase que vi adesivada no porta-malas do carro de uma moça:

"PENSO, LOGO SOU MULHER"

Foi uma das frases mais inteligentes e criativas de defesa da importância e inteligência femininas que tive a oportunidade de ler.

Creio que o filósofo e matemático Descartes não irá se opor a este sensacional adendo à sua célebre frase.

A quem criou essa frase, nossos parabéns sinceros.

sábado, agosto 15

Calvin, Haroldo e a Autoavaliação

Átila da Silva, pr.

É ler e refletir:*Será que a reflexão de Calvin pode ser aplicada ao peregrino?
(VISUALIZE MELHOR Clic AQUI)

*Ele deve ser 'bom', ou seja, praticar o amor prático de Cristo, por causa do seu relacionamento de amor com Ele, ou apenas parecer fazer isso?

*O ajuntamento eclesiástico nos condiciona a ser ou a parecer?

*Precisamos ser realmente peregrinos ou apenas para "dar pro gasto"?

Obrigado Calvin...

Obrigado Bill Watterson... The great creator!

quarta-feira, agosto 12

É POSSÍVEL DIZER SÓ MENTIRAS FALANDO APENAS A VERDADE?

Átila da Silva, pr.

É possível alguém dizer somente mentiras, falando só a verdade?

Como a propaganda a seguir pode ajudar-nos a responder essa pergunta?

Esta foi uma famosa propaganda do jornal "A Folha de São Paulo".

Pensando na atualidade:

1). Poderíamos aplicar a sua mensagem ao cenário político brasileiro?

2). Será que no contexto religioso e, mais especificamente, eclesíastico existem pessoas pregando mentiras mostrando a verdade?

3). Refletindo sobre seu próprio coração, existe possibilidade de você reproduzir essa realidade?

Penso e não desisto!

Fonte: Washinton Olivetto - Memória Folha de São Paulo.

domingo, agosto 9

MARKETING TEOLÓGICO!

Átila da Silva, pr.

Hoje em dia se faz teologia em todos os cantos. Desde a senhora que no ônibus vê o infortúnio passando do lado de fora em forma de um acidente, de um tiroteio ou de um cemitério, e exclama "-Deus me livre", até o ambiente capitalista que vê na fé do povo um facilitador do lucro e da manutenção da subserviência ao "ter é igual a ser".

Abaixo um exemplo do que chamei de "marketing teológico"... (Clic na foto para ampliar)

Infelizmente esse subterfúgio também tem sido utilizado para 'aumentar a renda' e 'o prestígio de dominação' nos centros de convergência eclesiástica, digo templos, por aí.

Graças a Deus, o peregrino não está preso a um "fannun" (leia sobre isso) e tem sua mente cativa pelo conhecimento de Cristo...

Atenção ao marketing teológico! "Parabéns aos Correios", por captar tão bem a alma religiosa dos brasileiros...

Fonte: Revista Reader's Digest - Seleções - Agosto 2009, p.18.

terça-feira, agosto 4

O PEREGRINO E AS COISAS DE DEUS

Átila da Silva, pr.

Talvez você já tenha ouvido, em meio à caminhada com Jesus, pessoas falarem sobre "as coisas de Deus". Frases como: "- Devemos cuidar bem das coisas de Deus"; "- Agora quero me dedicar às coisas de Deus"; " - As coisas de Deus precisam ocupar todo o nosso coração". "- As coisas de Deus precisam ser tratadas com seriedade e compromisso"; e assim por diante. Mas, o peregrino sabe que

DEUS NÃO QUER POSSUIR COISAS, SOMENTE PESSOAS!

Os Salmos 50 e 51 mostram bem essa realidade.
Infelizmente o processo de sacralização de espaços, de utencílios, de programas e de atividades tem projetado na mente e no coração das muitas pessoas que se reúnem nos centros eclesiásticos uma noção de 'obra de Deus' compromissada com a versão utilitarista e pragmática, reflexo da sociedade capitalista ao seu redor.

Somente o homem foi criado para relacionamento pessoal com Deus, e foi por causa das pessoas que Jesus se deu voluntariamente, a fim de oferecer-lhes relacionamento pessoal com Ele para sempre: a salvação.

Portanto, quando uma pessoa que se diz discípulo coloca mais valor sobre as coisas que sobre as pessoas, mostra não ter qualquer noção do que realmente significa "Obra de Deus". Não importa o que seja. Nada pode receber maior dedicação do que as pessoas, nem templos, nem propriedades, nem associações, nem agremiações, nem programas, nem bens materiais, nem cães e gatos...

Deus não tem relacionamento com atividades ou afazeres, mas com gente.

Deus não tem relacionamento com coisas, mas com gente.

A Igreja de Jesus é feita de pessoas e não pode ser coisificada, localizada, 'denominacionalizada', quantificada, acondicionada, domesticada, confinada ou retirada do meio deste mundo perdido e carente.

Os frutos que se dá estão ligados ao amor compartilhado com pessoas.

As 'boas obras' são obras de Deus quando levam amor, dignidade e a oportunidade das pessoas se tornarem também peregrinos.
Então, o peregrino sabe que não está ligado a 'coisas' ou 'atividades', mas à Pessoa que ama as pessoas.

Pintura & Foto:
1. A Criação de Adão (Michelangelo)
http://mv.vatican.va/3_EN/pages/x-Schede/CSNs/CSNs_V_StCentr_06.html
2. asoscomeles.blogspot.com

sexta-feira, julho 31

BIBLOS.COM



Átila da Silva, pr.
Ferramenta de Estudo.

Conheça um site de pesquisa muito interessante.


Muitas possibilidades: Uma versão de Bíblia em português. Atlas bastante detalhado vinculado ao Google Map. Concordância que possibilita pesquisa de palavras na Bíblia em diversas línguas; possibilidade de comparação entre textos bíblicos e comentários. Enciclopédia bíblica com links para os versos bíblicos, personagens, mapas, e outros. Biblioteca de imagens. Pesquisa de palavras na Bíblia e nos artigos vinculados. Referências cruzadas. Múltipla busca: você digita uma palavra (no caso "Salt", sal) que deseja pesquisar e o site indica conteúdo em dicionários, enciclopedias e textos bíblicos na mesam página. Divesas formas de analítico grego (passe o mouse). Diversos textos de manuscritos gregos e hebraicos disponíveis. Bíblia em ordem cronológica... e muito mais. Vale a pena passar um tempo testando o site. A língua inglesa pode ser uma limitação, mas não desanime. Um tradutor online pode ajudar... Veja 1 2.

UM TOQUE RÁPIDO...

Átila da Silva, pr.

Assista e reflita...

Salmo 40:4: Bem-aventurado o homem que faz do Senhor a sua confiança...

Salmo 56:4 e 11: Em Deus, cuja palavra eu louvo, em Deus ponho a minha confiança e não terei medo...

Provérbios 3:5: Confia no Senhor de todo o teu coração...

_______________________________________________________

Dica recebida do amigo Renan Alencar de Carvalho. Busquei o vídeo, converti-o e adaptei-o para o CONTRA MÃOS.

vídeo original: http://centralchristian.com/henderson/media/

vídeo no Brasil: http://www.youtube.com/watch?v=czXIo4H-4qE&feature=related

sábado, julho 25

O MAIOR PATRIMÔNIO DO CÉU É O PEREGRINO

Átila da Silva, pr.
“O maior patrimônio de um país é o seu povo”
(Gomes da Costa, A. C. Brasil – Criança – Urgente - A Lei.
São Paulo: Columbus/IBPS. 181 p.)

E o do céu???

terça-feira, julho 21

Atenção, Peregrinos!

Alice Osis da Silva

"Nada é mais eficaz para nos afastar do reino de Deus que o orgulho e a autossuficiência".

John Stott in

"A Bíblia toda o ano todo: devocionário".
Ultimato Editora, p.217.

SUGESTÃO DE LEITURA: O capítulo 8 do livro "I Call It Heresy!: Twelve Timely Themes From 1st Peter" (Christian Publications), de Aiden Wilson Tozer: "Was Your Humility Showing Today?" Traduzido como "As Vestes da Humildade", Clic.

PLACA: Átila da Silva especial para o Contra Mãos.

Frase adaptada à nova regra ortográfica.

domingo, julho 19

O PEREGRINO E SUAS ORAÇÕES

Átila da Silva, pr.

Uma expressão que gostamos de usar para nos ajudar a definir "oração" é:

"Conversa íntima e pessoal com Deus".

O peregrino que está iniciando na peregrinação é ensinado por Jesus a começar o relacionamento com Deus por uma conversa íntima, a oração. Vemos isso nos elementos de Sua mensagem registrada em Mateus 6.
Veja a intimidade: o peregrino é levado a abrir seu coração e mostrar sua falta de condições de continuar a caminhada sozinho pelo compartilhar de três aspectos muito pessoais de sua vida. (Mt.6:9-13): v.11 “dá-nos hoje o nosso pão de cada dia”; v.12 “perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores” e v.13 “não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal (Nova Versão Internacional).
É incrível como Jesus, em poucas palavras, conseguiu enfocar os diversos tipos de necessidades do peregrino - materiais, mentais, emocionais e espirituais. Falando com Deus sobre o que está dentro de si, o peregrino se ouve e se vê, e acaba por perceber quão pequenas são suas inquietações diante do Grande Senhor, a Pessoa certa para abrir seu coração!

Diversas pessoas pensam que o Mestre estava criando um modelo ritual de oração. Isso não é verdade. O peregrino não precisa decorar as frases e fazê-las ouvir diariamente em oração. Talvez no início da caminha. Mas logo entenderá que a conversa íntima o levará ao que realmente importa nessa vida: fazer a vontade de Deus - v.10 “seja feita a Tua vontade” – Aqui, na fé e prática, se alcança a maturidade e intimidade de relacionamento com Ele.

Então, o peregrino maduro, que vive para fazer a vontade do Pai, sabe, por experiência própria, que todas as coisas lhe são acrescentadas, mesmo sem pedir, inclusive o sustento diário; que ele vive uma vida perdoada em Jesus, por isso compartilha perdão e não deixa seu coração ficar pesado na caminhada, e, finalmente, ele sabe que não virá tentação que não seja humana e que Deus dará as condições de permanecer firme no caminho, sem cair ou estacionar.
Logo,
‘Andar como peregrino’ é viver seguro de que, mesmo quando não se consegue murmurar um pedido se quer, somos entendidos e ouvidos por Deus.
v.13 “Porque Teu é o Reino, o poder e a glória para sempre. Amém”.
Fotos:

sexta-feira, julho 17

UM OLHAR SOBRE "A CABANA" - William Paul Young

Átila da Silva, pr.


Saiu na Revista Veja o primeiro lugar de vendas ocupado pela ficção literária "A cabana", do escritor canadense William Paul Young. Alguns têm encarado a obra como um tomo teológico e, a partir daí, elaborado extensas críticas e contestações pensando prestar um serviço à ortodoxia. Porém, gostaríamos de compartilhar outra visão analítica, buscando contribuir com a reflexão que "retêm o que é bom".
Pensamos que o livro deva ser entendido dentro do contexto de sua produção. Young não pensou em fazer um livro comercial, mas um estímulo ao pensamento reflexivo aos seus seis filhos ( I writing a story for my kids[...] ages 15-27 [...] I am not writing a story that intend or expect will be published [...] site).
Pensamos que o livro não deva ser abordado por meio da teologia, pois não se propõe a ser teológico, na essência do termo (Mundo acadêmico). Young diz que "sua ficção deve ser entendida como obra de arte, dentro da qual a verdade pode ser lançada com criatividade" site. "Eu não escrevi uma teologia sistemática, escrevi uma história de ficção para minhas crianças [...] o poder da arte pode penetrar [...] no coração. Incita coisas na alma que não são tão facilmente descartadas".
Pensamos que "A Cabana" precisa ser entendido a partir da Filosofia, ou seja: 1. Alguns aspectos de doutrinas que surgem no livro são apresentados no contexto da atitude filosófica (como temos apresentado aqui no CONTRA MÃOS na sessão "Atitude Filosófica"), ou seja, a citação de doutrina não pretende ser exata, sistemática, mas um instrumento para provocar a reflexão filosófica. 2. O autor fornece ao leitor diversas formas de confrontação do seu cotidiano, da sua forma usual e comum de pensar e ver o mundo. Isso envolve o confrontar da religiosidade eclesiástica engessada (Que existe para preservar-se), da teologia arrogante (Que pretende limitar a Pessoa de Deus às suas formulações dogmáticas) e das pressuposições dogmáticas acerca do que cada um pensa ser A VERDADE sobre a Triunidade Divina, tão comuns nos recônditos evangélicos. Por exemplo: uma figura feminina e negra como Deus Pai. Não é necessário irmos muito longe para perceber o trato com a realidade cultural sobre a questão feminina e sobre o conflito racial, sendo utilizados como forma de confrontação filosófica.

Logo, se você permitir que a atitude filosófica, permeada na trama do livro, atue como contra-ponto de releitura de sua noção de relacionamento com Deus, já valeu a leitura. No mundo evangélico não somos incentivados a pensar, a refletir e a questionar. As forças formadoras buscam uma uniformidade que nunca existirá nesse mundo, nem mesmo doutrinariamente. Isso, entretanto, não anula a busca que o peregrino deve fazer pela pureza da doutrina bíblica, que será encontrada em seu texto e contexto, sabendo que a Bíblia sempre será a Palavra de Deus suficiente para que uma pessoa se encontre e se comprometa com Seu Criador.
Foto tirada em Curitiba quando da visita do autor ao Brasil.
Leia mais na fonte: blog de William Paul Young: http://www.windrumors.com/



FOTO:
William Paul Young in http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/cadernog/conteudo.phtml?id=822536